segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Recursos para Provas Discursivas

Vale a pena recorrer?

Os candidatos injustiçados pela arbitrariedade das bancas examinadoras possuirão uma nova possibilidade de conquistar a tão sonhada aprovação, sendo que os recursos consistem no único meio capaz de aumentar a nota dos candidatos que precisam de pontos para alcançar a classificação dentro do número de vagas ou que já foram classificados, mas pretender melhorar a sua colocação no certame.

Como funciona?

Os recursos exigem segurança e profissionalismo. Por isto, antes de adquirir nossos produtos, consulte a coordenação do Supremacia para analisar a viabilidade de você conseguir majorar sua nota.
Os recursos administrativos das provas discursivas serão interpostos perante a própria banca examinadora e serão elaborados de forma individual para cada candidato, de acordo com os entendimentos da banca examinadora em análise. Deste modo, envie sua prova, grade de notas e questões para contato@supremaciaconcursos.com.br

Para saber mais sobre Recursos Administrativos, clique aqui

Por que recorrer?

 Não é novidade que as bancas cometem inúmeras arbitrariedades e ilegalidades na elaboração de provas de concursos públicos, bem como que normalmente se negam a corrigir tais vícios por puro orgulho (uma vez que são os próprios professores que elaboraram as questões que irão analisar se estas devem ou não ser anuladas).
No que diz respeito às provas discursivas, sabemos que estas provas normalmente não são corrigidas por professores, mas sim por examinadores da banca que possuem um “espelho de resposta padrão”, ou seja, uma grade de correção a ser seguida.
 Neste sentido, devido à enorme demanda de correções, bem como à necessidade de que estas correções sejam feitas em um tempo muito curto, é muito comum que os examinadores cometam inúmeras falhas, deixando de pontuar determinados elementos e retirando pontos de forma errada.
Da mesma forma, como os examinadores normalmente não são professores, podem ser que não possuam condição de perceber que o aluno disse exatamente o que era necessário de acordo com a grade de correção, contudo se expressou de forma diversa e acabou perdendo pontos pela falta de conhecimento do próprio examinador.